São João Batista

Post thumb

 

Dia 24 de junho data do nascimento de João Batista, marca o oposto do nascimento de Jesus em 25 de dezembro. Ele é o oposto em relação ao Cristo. Nasceu de pais velhos e sábios, sua mãe em idade avançada e com ampla sabedoria. Jesus ao contrário, de mãe jovem e de alma pura.

A tarefa de João era preparar a terra e os homens para a vinda do Cristo. João viveu única e exclusivamente em função desta tarefa até as últimas consequências. Viveu no mesmo ambiente e percorreu a mesma região que o Cristo percorreria em sua peregrinação. 

No hemisfério norte, que nesta época das Festas de São João é verão, comemora-se nos pontos mais altos das montanhas em volta da fogueira, que representa o êxtase, o soltar das almas humanas. Neste local alto, no cume de uma montanha, a Terra tem sua matéria elevada para o espiritual.

No hemisfério sul, inverno, o espiritual penetra na matéria terrena. A fogueira também está presente com a sua luz e calor que aquece as almas dos homens. Então temos a imagem que nos permiti vivenciar o respirar da Terra, no verão ela expira voltada mais para fora e no inverno temos a inspiração para o interior.

O batismo que João realizava, conduzia o batizado a possibilidade de ter uma visão do que estava por vir, isto tinha o objetivo de preparar um grupo de almas que estariam prontas para receber o Cristo.  Então podemos dizer que João preparou o ambiente físico, etérico e anímico, onde o Cristo atuaria. João era o portal por onde o Cristo penetraria na Terra. O portal físico, etérico e anímico que purificaria o espaço para o mais supremo espírito se revelar.

João e Jesus são levados pelas forças do passado (forças lunares), do destino até às margens do rio Jordão, onde acontece o encontro histórico. No dia 06 de janeiro, às margens do Rio Jordão, João Batista batizou Jesus de Nazaré, que recebe o ser solar, o Cristo. João é o único que percebe a descida do Cristo sob Jesus, na forma de uma pomba.

Após o batismo, João diz: “Eu preciso diminuir para que Ele cresça”, ou seja, para que as forças solares, do futuro e da liberdade possam cumprir seu destino para um novo vir-a-ser, para que as forças do passado sejam metamorfoseadas pela força do Cristo.

A época de São João, este grande ser, serve de exemplo para nos orientar no caminho individual que iniciamos em Pentecostes. João Batista ficou 40 dias no deserto nesse caminho interior. O caminho interior que hoje temos a capacidade de realizar pode nos dar a oportunidade de descobrir o que realmente nos toca, o que realmente tem haver conosco, nosso propósito de vida. Cada um de nós tem toda a sabedoria do universo dentro de si, de forma latente, basta descobrir isso e, corajosamente, seguir o caminho. Quem consegue andar sozinho é seguro e serve de exemplo para os demais.

João Batista é nosso grande mestre deste caminho individual. Ele era conhecido como o Mestre da Justiça, nos trouxe a capacidade do julgamento interior. É a nova justiça, sabemos a quem servir, ajoelhando, e a quem conduzir de pé.  

Três virtudes ensinada por João Batista:

  • Proteger o mais fraco;
  • Respeitar o igual;
  • Reverenciar o superior;

 

O chamado individual, nesta época de São João, é forte.  Renascer nas pequenas ações ordinárias do dia a dia. Na luta diária não nos damos conta do esforço que fazemos para manter a presença de espírito e para não desviarmos nossa atenção procurando por grandes promessas de transformação.

A visão que devemos ter da época festiva de São João: que novamente surja uma grandeza no ser humano, mas aquela grandeza que pode surgir como uma chama que aquece e purifica, o nosso interior. O contrário dela, seria a chama transe ou êxtase que exterioriza o ser humano, o deixa fora de si.

O caminho para busca desta grandeza e fortalecimento interior, cada um só pode fazer sozinho. É um caminho árduo e solitário. Mas podemos reconhecer outras individualidades que estarão no mesmo caminho.  Cada um no seu caminho individual, mas todos com a meta de servir a humanidade.

FESTA JUNINA

Nesta época observamos o clima: dias curtos e ensolarados e céu azul e noites límpidas com céu estrelado e frias. Elevar os olhos ao céu é um ato contemplativo; o coração também se eleva e na imensidão do azul que nos envolve sentimos a presença de algo maior que nos acolhe e que nos enche de esperança.

Toda a festa desta época lembra a terra, os produtos (milho, canjica, amendoim, batata doce) pessoas que trabalham na terra (caipira) e o fogo transformando a terra, seus frutos através da luz e calor (fogueira). Então nos tornamos mais conscientes do organismo vivo da Terra, através dos quatro elementos: terra, ar, água e fogo.

Após a festa de junho, chega à hora de seguirmos para mostrar quem somos, seguirmos em frente até o final do ano, após este momento de introspecção que nos é proporcionado no inverno.

Símbolos:

1 – Fogueira: Fogo interior que precisamos acender para iluminar nossa alma.

2 - Ritual de pular a fogueira: Podemos reunir na alma forças novas, de um lado o stress é uma maneira de ser e lidar com as coisas, os desafios. Reunimos coragem e pulamos a fogueira de São João. Do outro lado com a força individual intensificada, renovamos a disposição para o que ainda antes do final do ano queremos alcançar. Fortalecidos para seguir em direção as metas e a novos desafios.

3 – Pipa: Soltar a própria alma para voar e deliciar-se com o grande sopro-vento da sabedoria e poder caminhar sozinho. A força da liberdade, das escolhas.

4 - Vestimenta caipira: Os trabalhadores que transformam e cultivam a terra. A capacidade de gerar sempre novos frutos.

Tudo que fazemos exteriormente tem uma força de fortalecimento interior. Os guerreiros antes de uma batalha, gritam, batem os pés nos chão, algumas tribos dançam, sempre com a finalidade de trazer coragem, força, determinação para enfrentarem os desafios do que está por vir. 



Autora: Tereza Cristina Campos de Oliveira

Psicóloga e Aconselhadora Biográfica



Referências Bibliográficas:

ALMEIDA, Karin Evelyn, O Caminho iniciático- O Resgate das Festas Cristãs;

http://www.festascristas.com.br/sao-joao-batista/sao-joao-batista-textos-diversos/604-joao-batista-portal-entre-o-mundo-fisico-e-espiritual-

http://www.festascristas.com.br/sao-joao-batista/sao-joao-batista-textos-comunidade-de-cristaos/673-joao-batista